Você pode deixar sua contribuição de diversas formas, seja qual for, ela será mais que bem vinda, nos ajudar você estará ajudando quem precisa!

  • Home
  • »
  • Notícias
  • »
  • Felippe Reis é o primeiro judoca faixa preta com Síndrome de Down de São Paulo

Felippe Reis é o primeiro judoca faixa preta com Síndrome de Down de São Paulo

Exame de graduação reuniu mais de 300 candidatos em Mauá, no ABC Paulista, no último sábado (31).

A Federação Paulista de Judô (FPJudô) realizou no último sábado, 31 de outubro, o exame de faixas que reuniu mais de 300 candidatos no ginásio Celso Daniel, em Mauá, no ABC Paulista, decorado na cor rosa como forma de adesão à campanha “Outubro Rosa”, que visa a conscientizar sobre a importância da prevenção ao câncer de mama. Para um dos candidatos, o dia foi ainda mais especial. Felippe Reis, Judô Acre Clube, foi aprovado e se tornou o primeiro judoca faixa preta com Síndrome de Down do Estado de São Paulo.

“O evento reuniu 307 candidatos, sendo três portadores de necessidades especiais, o maior evento de graduação já realizado pela FPJudô. Trabalhar com a inclusão desses atletas tem sido muito gratificante porque quebramos paradigmas. O judoca portador de necessidades especiais participa de um exame de graduação da mesma forma que os demais candidatos, valorizando essa conquista por eles”, disse o coordenador técnico da F.P.Judô, Joji Kimura.

Os exames de graduação para faixas pretas de judô é de responsabilidade da Confederação Brasileira de Judô, que habilita as Federações Estaduais a realizarem os exames em seus domínios. Para este evento em São Paulo, foram montadas 14 bancas examinadoras, com 64 avaliadores ao todo. De acordo com Kimura, o número de candidatos se deve ao fato de a FPJudô ter realizado cursos sobre  “História e Filosofia”, “Fundamentos Técnicos” e “Kata” de maneira itinerante nas 16 delegacias regionais. “Os candidatos não precisaram se deslocar para fora de sua região para estudar, minimizando despesas de viagens e hospedagens”, completou. Participar dos cursos e trabalhar como oficial de mesa em campeonatos oficiais e torneios amistosos realizados sob a chancela da Federação é obrigatória para a participação de exame. Mesmo para quem é medalhista em Mundial, as obrigações se mantem.

“Fiz os cursos e vim treinando desde o começo do ano. Estou esperando esse momento. Vai dar tudo certo e, se Deus quiser, vou sair com a faixa preta daqui ", disse o candidato Igor Morishigue, vice-campeão Mundial Sub 18 2015, atleta do SESI-SP, momentos antes de ser aprovado no exame.

O encerramento do exame foi feito com o cerimonial de entrega das novas faixas aos candidatos aprovados e, após a entrega, todos realizaram a troca da faixa simultaneamente

 

Fonte: CBJ - Assessoria de Imprensa

Leia Também!

Com mais três bronzes neste sábado, Brasil encerra Grand Slam de Abu Dhabi com sete medalhas

Mayra Aguiar, Beatriz Souza e Maria Suelen Altheman foram ao pódio no último dia. Próxima competição do Brasil será o Grand Slam de Tóquio, em dezembro

Ver mais

Federação Catarinense de Judô adequa seus estatutos à Lei Pelé

Para obter recursos da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE), representantes das agremiações aprovam novo estatuto por aclamação

Ver mais

Com mais de 30 mil acessos por mês site da Anju passa a receber patrocínio do Google

ANJU - Um Projeto de Vida

Ver mais

MPF/SP vai fiscalizar Conselho Regional de Educação Física por exigência irregular de registro a pessoas sem diploma na área

Decisão judicial proíbe que Cref4/SP controle a permissão de trabalho a profissionais como instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais

Ver mais