Você pode deixar sua contribuição de diversas formas, seja qual for, ela será mais que bem vinda, nos ajudar você estará ajudando quem precisa!

  • Home
  • »
  • Notícias
  • »
  • Com dinheiro público, judô paga o dobro por tatames a doador de campanha política

Com dinheiro público, judô paga o dobro por tatames a doador de campanha política

Foram mais de cinco milhões de reais gastos na compra de 8.575 placas de tatames em dois anos. Dinheiro público, vindo de convênios com o Ministério do Esporte. Poderia ter sido pela metade do preço. Mas em vez de se valer da lei a que tinha direito e obter isenção de impostos, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) escolheu comprar através de uma empresa que é também doadora na campanha de políticos ligados a entidade e ao ministério.

Os dois contratos entre CBJ e Recoma Construções, Comércio e Indústria tiveram o valor total de R$ 5.158.875,50 (cinco milhões, cento e cinquenta e oito mil, oitocentos e setenta e cinco reais e cinquenta centavos), apenas no item “tatames”. Em setembro de 2011, a CBJ assinou acordo com a empresa paulista para a compra de 3.888 placas de judô “E250 dimensão 2.000×1.000x40mm”. O pagamento ficou por conta do Ministério do Esporte, através do Convênio 750922/2010, no valor de 2.288.088,00 (dois milhões duzentos e oitenta e oito mil e oitenta e oito reais), ficando cada placa a R$ 588,50 (quinhentos e oitenta e oito reais e cinquenta centavos). O convênio tinha ainda mais R$ 583.200,00 (quinhentos e oitenta e três mil e duzentos reais) para compra de conjuntos de placar eletrônico e sistema de vídeo replay, totalizando R$ 2.871.288,00 (dois milhões oitocentos e setenta e um mil e duzentos e oitenta e oito reais).

Em 2013, um novo contrato para compra de 4.687 placas foi firmado entre a CBJ e a Recoma, novamente com pagamento do Ministério do Esporte, agora pelo Convênio 778124/2012. Valor total de R$ 2.870.787,50 (dois milhões, oitocentos e setenta mil, setecentos e oitenta e sete reais e cinquenta centavos) e valor unitário de cada placa a R$ 612,50 (seiscentos e doze reais e cinquenta centavos). Nos dois contratos, o objeto é a distribuição de tatames para cada federação estadual de judô do país. Em ambos, a Recoma venceu a concorrência com mais duas empresas, como está nos arquivamentos do Ministério do Esporte.Nos contratos, a empresa fica encarregada dos encargos fiscais no processo de importação (Alemanha) e previdenciários.

Se tivesse procedido de forma direta, sem intermediação, as peças teriam saído por menos da metade desses preços. Pela Lei 10.451/2002, até 31 de dezembro de 2015, era concedida “isenção do Imposto de Importação e do Imposto sobre Produtos Industrializados incidentes na importação de equipamentos ou materiais esportivos destinados às competições, ao treinamento e à preparação de atletas e equipes brasileiras”. Valendo para: “órgãos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e suas respectivas autarquias e fundações, os atletas das modalidades olímpicas e paraolímpicas e os das competições mundiais, o Comitê Olímpico Brasileiro – COB e o Comitê Paraolímpico Brasileiro – CPB, bem como as entidades nacionais de administração do desporto que lhes sejam filiadas ou vinculadas”. Caso da CBJ, enquadrada nas especificações da lei e apta a se valer da isenção.

Em 2014, eleições seguintes aos contratos de importação de tatames entre CBJ e Recoma pagos pelo Ministério do Esporte, a Recoma doou R$ 10.000,00 (dez mil reais) para a campanha de João Derly

Em 2014, eleições seguintes aos contratos de importação de tatames entre CBJ e Recoma pagos pelo Ministério do Esporte, a Recoma doou R$ 10.000,00 (dez mil reais) para a campanha de João Derly, então no PC do B, agora na REDE, parlamentar com mandato afinado com demandas do Ministério do Esporte e da CBJ e ex-judoca olímpico. Como pessoa física, o proprietário da Recoma, Sérgio Antônio Ferreira Schildt contribuiu com R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) para a campanha de Paulo Teixeira (PT) e R$ 4.000,00 (quatro mil reais) para Orlando Silva (PC do B), Ministro do Esporte entre 2006 e 2011, por ocasião da assinatura do primeiro convênio que financiou o contrato entre CBJ e Recoma.

A reportagem questionou para a CBJ a compra das 8.575 placas de tatames, pagando R$ 588,50 por placa no primeiro contrato e a R$ 612,50 no segundo, através da assessoria de imprensa, já que poderia ter comprado pela metade do preço. “A CBJ cumpriu todas as exigências do convênio celebrado com o Ministério do Esporte. Venceu a licitação a empresa que atendeu às demandas de documentação e ofereceu o melhor preço”, respondeu a entidade. Uma nova demanda foi encaminhada, no sentido de que ao utilizar uma empresa como intermediária para a compra, a entidade abriu mão da possibilidade das respectivas isenções de impostos. A CBJ respondeu que “O convênio com o Ministério do Esporte previa a necessidade de licitação, sendo vedada a compra direta de material. Além disso, este tipo de aquisição de equipamentos não se enquadra no benefício da Lei”.

Não é o que aponta a Lei 10.451/2002, cujas condições para ceder a isenção foram acima citadas. Diante disso, a reportagem pediu análise do caso ao Ministério do Esporte, que afirmou “ser uma prerrogativa das confederações a forma como exercerá a compra”.

Para não deixar dúvidas, a reportagem enviou para o ministério cópia dos contratos em questão entre a CBJ e o próprio ministério, assim como do contrato onde o COB exerce a compra com as isenções, e solicitou que a entidade verificasse se a CBJ estaria apta a fazer tal operação valendo-se da lei e aproveitando a isenção.

De acordo com as informações do ministério, a compra valendo-se do benefícios das isenções por parte da CBJ era possível, bastando estar com a documentação da entidade em dia. “Para estar apto, à época, a receber o benefício da isenção de imposto, era necessário que a entidade cumprisse uma série de requisitos a serem comprovados por meio de um checklist de documentações. Somente dessa forma, seria possível avaliar se a entidade poderia receber a isenção de impostos”, afirmou o Ministério do Esporte.

O parâmetro para se entender como a opção pela intermediação da Recoma encareceu o gasto com dinheiro público é a importação do mesmo modelo de tatame pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), como está no Diário Oficial da União de 19 de abril de 2007. Na ocasião, a Secretária Nacional de Desenvolvimento do Esporte e do Lazer do Ministério do Esporte (SNDEL), reconheceu o direito a importação por estar a compra enquadrada nas normas da lei e homologou a isenção, e 262 tatames “E250 dimensão 2.000×1.000x40mm” foram comprados ao custo de R$ 162,44 (cento e sessenta e dois reais e quarenta e quatro centavos) por placa. Assim como a da CBJ, a compra dos tatames também foi feita através de convênio com o Ministério do Esporte (579088).

Valendo-se do mesmo direito, o contrato de 2013 entre CBJ e Recoma por exemplo, onde cada placa saiu a R$ 612,50, teria tido uma correção de 46,50% pelo IGP-M e sairia a R$ 237,98 (duzentos e trinta e sete reais e noventa e oito centavos) por peça. Assim, a opção da CBJ em ter um intermediário custou mais do que o dobro aos cofres públicos.

Além da CBJ, a reportagem enviou questões para a Recoma, pedindo que a empresa comentasse as razões para as doações eleitorais como pessoa jurídica para João Derly (REDE) e também as do presidente da empresa, Sérgio Antônio Ferreira Schildt para o ex-Ministro do Esporte, Orlando Silva (PC do B) e para o deputado federal Paulo Teixeira (PT), sem obter resposta.
A reportagem enviou também questões para os deputados João Derly, Orlando Silva e Paulo Teixeira, sem respostas.

 

Por: Lúcio de Castro

Fonte: http://agenciasportlight.com.br

 

Leia Também!

Com mais três bronzes neste sábado, Brasil encerra Grand Slam de Abu Dhabi com sete medalhas

Mayra Aguiar, Beatriz Souza e Maria Suelen Altheman foram ao pódio no último dia. Próxima competição do Brasil será o Grand Slam de Tóquio, em dezembro

Ver mais

Federação Catarinense de Judô adequa seus estatutos à Lei Pelé

Para obter recursos da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE), representantes das agremiações aprovam novo estatuto por aclamação

Ver mais

Com mais de 30 mil acessos por mês site da Anju passa a receber patrocínio do Google

ANJU - Um Projeto de Vida

Ver mais

MPF/SP vai fiscalizar Conselho Regional de Educação Física por exigência irregular de registro a pessoas sem diploma na área

Decisão judicial proíbe que Cref4/SP controle a permissão de trabalho a profissionais como instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais

Ver mais